Potencial dos lavadores de microplacas na rotina laboratorial

Várias notícias em todo o mundo colocam em perspectiva o objectivo de testar intensamente para o SARS-CoV-2. Actualmente, a principal preocupação continua a ser a procura de indivíduos infectados através dos testes de qPCR, que detectam a presença do material genético do vírus (RNA) num esfregaço da orofaringe.

O desafio seguinte, já recomendado por muitas autoridades sanitárias, é procurar a presença de anticorpos específicos no sangue. Os testes serológicos podem desempenhar um papel fundamental na luta contra a COVID-19, ajudando os profissionais de saúde a identificar indivíduos que tenham superado uma infecção no passado e desenvolvido uma resposta imunitária.

Alguns dos testes serológicos já em uso ou em processo de aprovação, são baseados no método de ELISA. São efectuados em laboratório e podem ser qualitativos ou quantitativos. No contexto da COVID-19, testam-se com maior frequência os anticorpos dos doentes (IgG e IgM).

Considerando que num futuro próximo a realização destes testes será estendida à generalidade da população, será inevitável um tremendo aumento na necessidade de microplacas bem como de instrumentação auxiliar ao processamento de amostras e testes.

Na maioria dos casos, os testes ELISA e outros ensaios em microplaca (bioquímicos, celulares) requerem sucessivas lavagens durante a sua execução. Ainda assim, porque não produzem directamente o resultado final de um ensaio, os lavadores de placas não são devidamente valorizados no processo. Em alguns casos, será mesmo ignorado como o desempenho e reprodutibilidade nas lavagens pode afectar significativamente os resultados finais.

Em comparação com as alternativas manuais, os lavadores de microplacas melhoram em muito a velocidade e precisão de muitos procedimentos de lavagem diferentes, poupando tempo e dinheiro no laboratório.

 

Para mais informação sobre lavadores de microplacas, ELISA workstations e leitores ELISA  carregue aqui.

  • Partilhar: